Em destaque

My First Blog Post

Sejam bem vindos!

Esse espaço é um cantinho especial para compartilhar conhecimento sobre música e afins!

Sobre o autor: Sou Carlos Eduardo Souza de Oliveira, nascido em 1987 no litoral de São Paulo, apesar de atuar como profissional no ramo de Logística e Comex desde sempre, a longa data mantenho um secreto romance com a música, que por sinal caí nesse meio ao acaso, ou não, quem sabe?

Através desse espaço busco trocar conhecimento sobre os assuntos música, instrumentos, artistas e outros assunstos co-relacionados!

Boa sorte a nós!!!

https://www.facebook.com/carlos.s.oliveira.9

Be yourself; Everyone else is already taken.

— Oscar Wilde.

This is the first post on my new blog. I’m just getting this new blog going, so stay tuned for more. Subscribe below to get notified when I post new updates.

"BLACK CROWES – Uma aula sobre o Rock"

Qual a primeira banda que vêm a sua mente ao falar a palavra “Rock”?? Há muitas discursões sobre o Rock não se renovou e blá, blá, blá. Em certo ponto faz sentido pensar assim, apesar de existirem sim novos artistas, mas sejamos sinceros a receita do bolo é a mesma, mas o resultado sempre é delicioso.

Em contrapartida o bom e velho Rock n Roll ainda vibra em nosso sangue, tudo que realmente é bom se eterniza em nossas memórias, citaria inúmeras bandas clássicas para frisar o nosso querido Rock, mas hoje vos falo sobre essa galera que fez sua lição de casa e de meu humilde ponto de vista tirou 10.

Black Crowes foi uma banda norte-americana de rock, formado em AtlantaGeórgia em 1984 pelos irmãos Chris e Rich Robinson, sua discografia inclui nove álbuns de estúdio, quatro álbuns ao vivo e vários singles presentes nas paradas.

Depois de um hiato entre 2002 e 2005, a banda lançou Warpaint, que atingiu a #5 posição na parada da Billboard.[2] Após o lançamento do álbum duplo Before the Frost…Until the Freeze, o grupo apresentou ao público um álbum acústico contendo os maiores hits da banda, o Croweology, lançado em agosto de 2010. A banda começou uma turnê para comemorar o aniversário de 20 anos da banda que foi seguido por um segundo pequeno hiato.

A banda abriu para diversas bandas de rock, tais como The Rolling Stones, HeartRobert PlantTom Petty and the HeartbreakersThe Dave Matthews BandThe Grateful DeadAerosmith e ZZ Top, e se apresentando ao vivo com Jimmy Page e Oasis, entre outros.

Riffs de guitarras matadores, bateria dançante “Remedy” é uma das faixas mais famosas da banda!
“Thorn my Pride” essa é uma das minhas prediletas, uma base simples no violão, orgão aquela guitarra te falando poesias ao ouvido.
Psicodelismo é forte influência, a banda te faz viajar com poucas sonoridades, talvez uma das características das bandas mais antigas era apenas fazer o rock sem grandes preocupações!!
Aqui as coisas ficam sérias, as guitarras são enérgicas, os timbres matadores, uma aula de sons vintages.
Para finalizar deixo a vocês um álbum inteiro o mais recente da banda, cheia de músicas maravilhosas.

Essa é uma daquelas bandas para os mais puristas, que defendem o timbres antigos e toda escola clássica do Rock, em todo caso independente de gosto é uma puta aula, muito gostoso ouvir isso, difícil acreditar que alguém não curte.

O Mestre Bonamassa!!!

Após muito tempo sem falar sobre música, escolhi esse músico ímpar para conversarmos um pouco!!!

Fã de rock inglês e do blues moderno Joe Bonamassa começou a tocar guitarra aos quatro anos de idade, e aos oito já era elogiado por B.B. King.

Lançou um disco com a banda Bloodline (“Bloodline”, 1994), da qual fizeram parte Erin Davis (filho de Miles Davis), Waylon Krieger (filho de Robby Krieger) e Berry Oakley Jr, e que debandou logo depois.

O primeiro disco-solo (A New Day Yesterday), lançado em 2000, é um testemunho de amor ao rock dos anos 60 e 70. Joe começa com o blues-rock Cradle Rock, um clássico do guitarrista irlandês Rory Gallagher e Walk in My Shadows dos britânicos do Free. A faixa título é uma porrada tirada do segundo álbum do Jethro Tull (Stand Up, 1969).

Em 2010, montou o supergrupo Black Country Communion juntamente com Glenn Hughes, no baixo e vocais, o baterista Jason Bonham, filho do lendário John Bonham e, finalmente, Derek Sherinian (ex-Dream Theater) nos teclados. O supergrupo, no entanto, encerrou as atividades após algumas diferenças criativas e pessoais entre Joe Bonamassa e Glenn Hughes. Em março de 2013, Bonamassa declarou que estava feliz por não estar mais envolvido com o Black Country Communion, e poucos dias depois, Glenn Hughes declarou o fim da banda.

Bonamassa tem um voz forte, apesar de não ser um exímio cantor, seu forte certamente é a guitarra campo onde ele domina e compreende totalmente do assunto, leva a guitarra blues a um outro nível, tem suas raízes no clássico, mas de certa forma se esforça para criar seu próprio estilo que flerta entre blues e rock, com muita dinâmica, os timbres de guitarra são excelentes, é um fã de guitarras Les Paul.

Joe pensa Blues, mas mescla diversas referências sonoras em suas músicas, seus solos de guitarra são marcantes, muitos deles sem pressa alguma de chegar ao fim.
Bonamassa prefere riffs de guitarra diferentes, o que de certa forma traz um novo ar a esse estilo tão único.

O Ego e seus Encantos

Não é raro se ver por aí quem se alimente de seu próprio ego, é compreensível pelo fato de estarmos em evolução constante sendo assim, erros serão cometidos e por vezes nem percebidos.

Mas qual o motivo de sermos tão areia? Tão ligados ao mais básico, “Eu acima do Nós”. Esclareço que não se trata de um julgar e sim uma busca por compreensão e aumento de conhecimento. Aos meus olhos é estranho uma roupa, um carro, uma casa terem mais “valor” que as ‘coisas mais simples da vida’, nesse sentido sigo observando, pois sempre é possivel aprender um pouco, como se portar e como não se portar. Por vezes é engraçado ver como o elemento “A” se esforça para ser algo tão discrepante de sua essência, já o elemento “B” em chamas exige correção do elemento “A”, ou seja ao cobrar algo que julgue incorreto ele acabará também sendo errado.

No final das contas o que parece ser mais sadio é olhar, absorver o conhecimento, se questionar e questionar a tudo com o devido respeito, será assim um caminho para se enxergar por vários ângulos, aproveitando cada momento da melhor forma, sendo quem você realmente é.

O Ego sempre nos arrasta aos erros mais grosseiros, mas não seriam os erros degraus para a subida? No entanto há um ponto a se observar: muitos se apegam a pedra, tropeçar é comum, o que não é correto é se agarrar ao erro com culpas ou remorsos. É necessário se lavar de toda precomcepção, estar aberto a novas possibilidades como uma criança.

Quem é Rafael Arosa?

Cheguei nessa publicação através de um anúncio em rede social, o fato de ser curioso me fez conhecer esse tal de “Arosa”.

Rafael é musico/ compositor original de Rio de Janeiro que tem como base em sua sonoridade estilos como R&b, Mpb, Rock, Jazz, alguns do músicos citados pelo artista como referência: Djavan, Ed Motta, Herbie Hancock e Michael Jackson.

A canção pra mim é o carro chefe do álbum, com arranjos sofisticados uma harmonia cheia de acordes deliciosos de se ouvir, típico dos estilos mencionados. Há muitas dinâmicas e passagens oferecendo assim uma experiência peculiar a quem se propuser ouvir essa obra.
Nessa faixa é clara a influência da música eletrônica retro, a utilização de Synths assinam todo o trabalho. A letra fala sobre o avanço da tecnologia nos tornando mais robôs do que humanos e da necessidade de nos voltarmos a nossa origem real.
Essa letra é curiosa, porque ao ouvir a primeira impressão que tive é que abordava sobre depressão e suicídio, mas ao analisar melhor ela abrange outros temas, sobre povos menos favorecidos ao redor do mundo, pessoas que vivem em zonas de guerra.
Gosto muito dessa, uma analogia “Inverno X Amor”, ao longo da música é fácil conectar pontos sobre o tema, com o ponto alto: “Mas quem semeou o Amor, não passará frio não”.

Uma curiosidade é que além de músico, Rafael é professor e pesquisador na área de Geografia, vivendo assim uma vida dupla.

Essa tem uma pegada mais “Slow Soul”, bem charmosa com todos os Rhodes e Wurlies que temos direito a letra fala sobre escolhas e consequências, sobre liberdade e sobre a percepção limitada que temos sobre a realidade.

Ao longo do álbum percebesse uma riqueza harmônica, arranjos refinados, já os timbres escolhidos a dedo todos de altíssima qualidade, o álbum conta com diversas parcerias em vários instrumentos. Com muito uso de guitarras e teclados para alcançar a sonoridade almejada em seu trabalho, no YouTube é possível ouvir todas as canções, pois eu separei apenas algumas para ouvirmos.

A única coisa que posso dizer é: desejo sorte e vida longa ao grande Rafael Arosa, que ele possa viver muitos anos e compartilhar sua arte conosco, afinal em um tempo “Escuro” somente a “Luz” será escudo, “canções” serão como armas para a luta em Gaia.

Quem é Drik Barbosa?

Meu primeiro contato com essa musa foi através da música “Mandume” de Emicida, enfim ela é mais do que um refrão, muito mais!!!

Thais Araújo, vem de uma família musical, morando sempre em vila onde seus tios ouviam rap e esse foi seu primeiro contato com o estilo. Na batalha de mcs(Santa Cruz), foi sua primeira visita física onde viu com seus próprios olhos mcs duelando entre si, segunda a própria Drik esse ponto foi fundamental para saber quais caminhos trilhar, foi sua escola.

Drik iniciou sua carreira, primeiro participando dos shows de alguns artistas, mas era notável seu potencial, nesse período ainda trabalha em empresa, demorou um tempo para poder migrar somente para a música.

Tenho por mim que essa é a faixa mais expressiva que consegui ouvir, ainda é importante acordar para nossa missão, muitos estão distraídos, alheios ao caos, precisamos disseminar o amor e a luz.

Drik mescla groves neo soul, gostosos de ouvir, suas letras são pesadas, tocam na alma.
Há influências diversas em sua música, ritmos como o funk, axé, soul, jazz, Drik soube mesclar na medida cada identidade, trazendo um mar de sons maravilhosos para se ouvir.

A artista levanta toda uma questão de empoderamento, sua música é esperança em dias escuros, falando a sério ainda é comum pensar que é a mulher é menos, pensar que o negro é menos. Bobagem, somos reis, donos do nosso destino. Por isso é mais do que necessário nascerem artistas como Ela que falem sobre esses temas, o dia que não houver mais esse ponto a discutir, deixaremos de falar.

Drik e Stefanie, senhores, que dupla!!! As duas são talentosíssimas, letras inteligentes, rimas saborosas.
Termino hoje com esse clipe foda, com várias artistas poderosos, incluindo Drika!!!

“O Excesso do Nada”

Em plena revolução tecnológica, digital e científica, novos conceitos, práticas e metodologias permeiam a vida moderna interferem diretamente sob a economia, o trabalho e o jeito de pensar e viver.

Teoricamente devíamos estar avançando em vários sentidos, toda via é fácil observar pessoas conectadas ao lado menos necessário da existência, penso que cada coração é um universo e ainda tem que bombear o sangue. Também creio que não estamos aqui a passeio. Observando as rodas de conversas e os desconhecidos rua afora, facilmente noto como um Iphone é essencial, claro que tudo é questão de ótica, mas ao meu ver é complicado entender como um pedaço de alguma coisa poder ser mais relevante do que um curso profissional ou uma viagem ou momento especial com pessoas que amamos. Quanto poder foi cedido a uma grife, o que houve? O que nos foi ensinado que pegamos o caminho errado?

éVerdadeEsseBilhete: Não assisto tv há bastante tempo, tão pouco concordo com a forma inadequada de vincularem conteúdos, entretanto por vezes aparecem pessoas com talento e devemos reconhecer.

A antiga mídia(tv e rádio), a atual internet te apontam para o consumismo porque isso é vantajoso para empresas que por sua vez patrocinam a mídia, mas e se as vias de comunicação falassem ou direcionassem ao menos para o caminho da consciência? Sim! O que aconteceria, se por exemplo as empresas farmacêuticas não alcançassem suas metas financeiras, devido a maioria dos seres humanos estarem acordados e buscando a saúde por outros meios, existentes há muito tempo aqui na Terra.

éVerdadeEsseBilhete: Criolo é um poeta com uma missão linda, inteligente e crítico, com a sarcástica rima de só quem teve na pele o entendimento do sofrer, mas ainda jorra esperança e flores por sua boca.

Não me interpretem mal, é óbvio que é necessário ter o consumo básico, de roupas, comida, passeios, carros e motos se houver condição para isso, o ponto que considero crucial é que não há a extrema necessidade de possuir tudo, volto a falar, ter menos e ser mais. No meu mundo ideal pessoas trocam conhecimentos e aprendem pouco a pouco, se sentem bem em serem úteis ao planeta e aos seus semelhantes.

éVerdadeEsseBilhete: Tá aí um lembrete do que o músico precisa fazer aqui em Gaya, hoje mais do que nunca devemos acordar para nossa missão.

Em todo caso há algum tempo ouvi sobre o caminho do meio, que está interligado ao equilíbrio, é possível sim contrabalancear os excessos, comprar e usar é necessário, no entanto não é fundamental. Usar o dinheiro de forma inteligente, óbvio que para quem não têm uma educação financeira desde cedo é delicado manusear essa ferramenta, mas com um simples controle financeiro anual, anotando gastos atuais e a longo prazo se torna um exercício e facilita nossa vida. Definir o que é mais importante a sua vida, não pela ótica de outros, mas sim por ti, o que hoje é essencial para você se sentir bem, se colocar em primeiro plano não se trata de egoísmo, mas sim de sabedoria. Não sinta estranho se por acaso se interessar por um curso de química ou de barista, siga pelo coração, talvez ir a direção oposta da grande massa será o ponto fundamental para se libertar. Afinal um pouco de loucura é o tempero que fará toda a diferença, lhe garanto se você olhar para o todo e não se sentir parte dele, não se confunda, temos todo conhecimento em nossa mente, o que de fato é necessário é aceitar nossa consciência, sim, sabe aquela voz que te fala nos momentos mais propícios.

Há ainda todo um suporte divino por aqui, indiferente a sua religião Deus age através de missionários espirituais de várias formas e vertentes, ás vezes uma pessoa que jamais falamos nos diz o que precisamos ouvir no exato momento, quem você acha que está trabalhando nessa hora? Existe toda uma preocupação universal para que realmente consigamos olhar ao caminho certo, claro que isso depende muito mais de cada pessoa, precisamos nos libertar do conceito de culpar o outro e até mesmo nos culpar, ou seja, se algo ocorreu de uma que você não esperava, haverá um novo dia! De fato só conseguimos fazer hoje o que está ao nosso alcance e amanhã o limite se expandirá, assim não devemos nos culpar por não saber ou poder agir com mais sabedoria.

éVerdadeEsseBilhete: Pra quem não conhece esse monstro, ele influenciou muita gente boa, é engraçado a peculiaridade de sua voz, suas letras são muito inteligentes, ele é o compositor de “Como Nossos Pais” interpretado lindamente por Elis Regina.

O ponto chave é olhar com a seguinte ótica: “Como prevenir para que isso não aconteça”?

Mas se voltar a ocorrer que não haja peso nisso, algumas coisas são repetidas até que entendamos de uma vez, enfim Deus não é Sádico, mas nós somos. Ainda temos muito a aprender, acho que um exemplo a seguir é do Cachorro, o amor incondicional que ele direciona a seu tutor é inquestionável, a felicidade explosiva dele, tão pura e inocente, talvez seja isso que esteja faltando em nós. Ter esperança não faz mal a ninguém, esperar no bem, mas buscar estar bem no dia-a-dia, não digo que é uma tarefa fácil, claro que ter pessoas que queiram estar perto seja um familiar ou não, pode colaborar muito.

éVerdadeEsseBilhete: Sem comentários, esse cara é um mestre habilidoso, espero que viva muito ainda e nos deixe suas obras maravilhosas.

Para finalizar, quero explanar que é um ponto de vista e não busco ser dono da razão, creio que há verdades uteis nesse texto, aceito outras óticas e talvez até sejam importantes para expandir o que comecei aqui, sei da capacidade humana e espero que um dia possamos nos enxergar com esse poder que é gigantesco.

Que todos estejam em paz!!!

Quem é Moonchild?

Trabalham influências do Neo-Soul e Jazz “sob medida”. Diferente de suas referências onde o preenchimento volumoso de muitos timbres e instrumentos é comum, preferindo assim se concentrar no “menos é mais”, mas um tanto discreto, ainda assim, fazem um puta som, pra mim lembra os back grounds, lo-fi hip hop e por aí vai.

Moonchild basicamente em sua maioria atua com dois teclados, voz e uma batida eletrônica e por incrível que pareça isso já é mais do que o suficiente para extrair excelentes canções. Dois tecladistas tocando juntos sem exagero, um literalmente se encaixa no outro, um casamento perfeito.

O trio de R&B alternativo é conhecido por seus grooves viajantes e seus vocais finos. A banda se encontrou na Universidade do Sul da Califórnia e estreou o ano de sua formação com o auto-lançado Be Free (2012), posteriormente se juntou à lista do selo independente do Reino Unido Tru Thoughts, onde eles continuaram a refinar seu som com Please Rewind (2015).

 

“A Voz do Rei”

Sabe aquela voz que arrepia?? Pois é, existe um cara que faz a gente acreditar na força do dom, que há pessoas que nasceram com uma missão aqui na Terra, quando ele canta é impossível não reparar, hoje irei falar de ninguém mais, ninguém menos do que “Péricles”

Nascido em Santo André(SP), Péricles Aparecido Fonseca de Faria, ainda na infância teve seu primeiro contato com a música nos grupos Católicos das Igrejas. Antes de entrar para a carreira artística, Péricles trabalhou como sapateiro, metalúrgico, cabeleireiro e inspetor de alunos em uma escola da região do ABC paulista.

Apaixonado por Samba, fez parte de alguns grupos até que em 1986, integrou o Exaltasamba, do qual foi um dos fundadores. O cantor e compositor, durante os 26 anos que a banda existiu, lançou 15 CDs, quatro DVDs, teve mais de 15 milhões de discos vendidos, e viajou com seus shows por todo o Brasil.

Quando o Exaltasamba decidiu interromper suas atividades, era um dos grupos mais influentes do mercado musical. Péricles e seus companheiros conseguiram colocar elementos da música pop em sambas de partido alto, fizeram muito sucesso e deixaram um legado para as próximas gerações.

Em 2012, iniciou sua carreira solo e gravou o CD e DVD Sensações. Para a nova fase, trouxe para a sua banda o companheiro de Exaltasamba, Pinha, e o amigo Isaias Marcelo na direção musical.

O cantor Péricles foi um dos primeiros a utilizar referências sonoras externas em suas músicas, é possível ouvir instrumentos como “cordas”, “vozes femininas” dentre outros, agregando novos valores ao ritmo popular.
A maioria das letas falam sobre relacionamentos, apesar de o refrão normalmente ser marcante e repetitivo, gosto das letras diretas e sem tanta complexidade, já os arranjos por outro lado sempre são bem trabalhados, é incrível com uma quantidade imensa de músicos no palco, ainda sim é possível ouvir cada detalhe de cada instrumento.

Fico por aqui, mas quero deixar um lembrete, além de encantar nossa vida com essas canções Péricles nos deixa também um discípulo que sempre dará seguimento ao que ele começou, fiquem com seu filho “Lucas Morato”

Arte da Ingratidão

Hoje sem tanta música, quero escrever um pouco, talvez usar o espaço para algo que gosto muito, sempre fui de ler, escrever e quero falar sobre a tão atual “Arte da Ingratidão”, já ouviu falar ou desconhece??? Pois bem… Para essa leitura vou deixar um fundo musical do estilo “lo-fi” em outra oportunidade abordaremos sobre ele…

Vamos lá então!! Quantas vezes somente esse ano, você já reclamou por não poder comer um hambúrguer do Mécki, né???? Quantas vezes não se perguntou o porquê de não poder dar aquela passada em seu restaurante favorito e comer seu prato predileto, acompanhado de sua cerveja preferida?

Andamos ao sentido oposto de tudo que foi nos exemplificado e isso já faz muito tempo, quando Yeshua passou por aqui acredito que não foram esses os ensinamentos que Ele almejava deixar, mas e porque diabos somos tão ingratos?

Falo por mim, inúmeras vezes vejo um mendigo sendo mais amoroso do que nós que temos, casa, roupa lavada, comida feita na hora e de vez em quando uma saborosa pizza.

Talvez seja o ponto exato de retornarmos ao caminho da luz, ajudar sem olhar, mas sejamos ponderados faça o que poder sem exageros, pois de nada irá adiantar ir além do que se quer. Ajudar não se trata de dar algo físico, mas uma “conversa”, um “como vai?”, um “vou passar aí!”, “vamos tomar um café” pode ser uma mão no dia de alguém. Entretanto saliento, comece por dentro de casa, temos o confuso hábito de esticar a mão para longe, comece por si, não se culpe ou torture tanto, o aprendizado da consciência é diário, hoje você entenderá somente o que está nesse limite e amanhã o sol nascerá trazendo boas novas.

Um bom exercício é reclamar menos, se tens um teto e comida fresca, uma família para amar isso é muito, lhe garanto, a grande oportunidade de passar por aqui está ligada a evolução espiritual, ter não significa nada, se for para ter, tenha consciência e vontade de ser, de mudar pouco a pouco. É fundamental compreender que haverão dias escuros, sim, mas o sol virá e aí devemos erguer a cabeça, observar e pensar que há pessoas que estão em situação de consciência inferior e é aí onde devemos atuar, não digo injetar nosso conhecimento e vontade em outrem, mas podemos falar, dividir experiências e assim quem sabe acalantar um coração, seja esse o seu ou de outro.

Tudo na teoria é lindo, sei que na prática é bem mais delicado, no entanto, isso não é uma ciência exata, é como andar de bicicleta, você pode cair, mas deve levantar e aceitar que doer ás vezes faz bem, faz se sentir vivo. Por isso digo, andemos a frente, se puder ajude, se não puder observe, falar? Somente se for útil a alguém e se for consultado, temos a estranha mania de julgar, como é complicado olhar através da ótica alheia, digo e repito observar e absorver.

O ponto chave é ter Esperança e no amanhã, por incrível que possa parecer, sempre haverão outras oportunidades de pedir desculpas, de corrigir um erro, de ajudar a si mesmo, há uma vida inteira pela frente e mesmo que essa vida seja curta, que seja intensa e plena, sejamos então aquilo que queremos ser, devemos respeitar sim os outros, diria até mesmo todos os jeitos e formas, pensamentos e ideais, mas jamais sucumbir a vontade alheia.

Fiquem todos em paz!!!!

“Jovens Velhos da Nova Mpb”

Nesse dia chuvoso a fim de aliviar a mente escrevo esse texto, falarei sobre os artistas que vêm surgindo na mpb(música popular brasileira), pelo conceito qualquer brasileiro que componha música popular, pode estar nesse meio. Trago uma turma nova, alguns talvez busquem ser inovadores e outros apenas dar continuidade aos artistas que tanto fizeram nossa cabeça ao longo dos anos, irei listar alguns artistas dos quais eu tirei um tempo para ouvir e analisar.

Marcelo Jeneci

Criado em na Zona Leste de São Paulo, aprendeu música com seu pai, que trabalhava consertando equipamentos eletrônicos e instrumentos musicais. Marcelo é multi-instrumentista toca violão, teclado, sanfona, seu primeiro álbum, “Feito para Acabar”, que recebeu boa acolhida da crítica, suas letras são muito inteligentes em sua maioria com visões positivas e questionadoras sobre vida, Marcelo mescla não só instrumentos diferentes, mas ritmos e referências, usando desde rock ao forró, seria complicado apenas definir ele em um só nicho.

Felipe Catto Cantorinstrumentistacompositor, ilustrador e designer brasileiro. Ganhou fama ainda muito jovem, voltado para a MPB, o samba e o tango moderno, mas com o tempo, avançou para outros gêneros, como o jazz, o rock e o bolero, entre outros. Já dividiu o palco com outros grandes artistas nacionais, como Maria BethâniaNey MatogrossoChico BuarqueGilberto GilBeth Carvalho, entre outros.

Compõe na maioria das vezes de forma solitária, mas já escreveu canções com artistas como Zélia DuncanPaulinho Moska e Pedro Luís, nota-se um quê timbral de Matagrosso, feliz me sinto já que é uma ótima referência, ainda usa sonoridades vintages buscando alcançar uma certa obscuridade em suas músicas.

Cícero

Antes de graduar-se em Direito, o músico integrou em 2003, a banda de Indie Rock “Alice”, com a qual que gravou dois discos. Cícero lançou em 2011 seu primeiro CD, “Canções de Apartamento”, produzindo, gravando e tocando todos os instrumentos em casa e disponibilizando para download gratuito. Fortemente inspirado pela MPB e bossa nova, chega a fazer referências explícitas em algumas canções, como a lembrança de “Dindi” de Tom Jobim na faixa “Pelo Interfone” ou de Braguinha na marchinha arrastada “Laiá Laiá”. O música é um exímio violinista, não poupa acordes complexos em seus arranjos, suas letras são metafóricas em sua maioria.

5 à Seco

É uma banda formada em 2009 na cidade de São Paulo. Desde 2010, compreende os músicos Leo Bianchini, Pedro Altério, Pedro Viáfora, Tó Brandileone e Vinicius Calderoni.

O nome do grupo vem da ideia de que são cinco músicos compositores de igual importância, que se revezam nas funções, sem protagonismo, por isso o numeral “5” no nome. Já o “a seco”, vem do grupo se apresentar sem músicos acompanhantes, com a intenção de que haja uma autossuficiência e uma economia de recursos. A inspiração para o nome veio da conhecida rede de lavanderias 5 à Sec.

Dani Black

Filho de Têtê Spindola, músico autodidata, é guitarrista/violinista e compositor que nada entre mundos, jazz e soul, são algumas de suas referências, Dani normalmente se apresenta em trio com guitarra/voz, bateria e teclado, suas letras em sua maioria falam sobre relacionamentos. Seu estilo é peculiar com requinte sonoro em algumas canções ele usa temas repetitivos e outras arranjos mais ousados, é guitarrista e tanto, uma particularidade é que ele toca com os dedos.

Léo Fressato

Nascido em Brasília, em 14 de outubro de 1986, provinha de uma família de descendentes de italianos. Além de cantor e compositor, trabalha como diretor, ator, e humorista. Compõe desde os 14 anos. Começou a escrever sobre amor ainda mais cedo, aos 10 anos de idade, quando, pela primeira vez, se apaixonou. É preciso que o inverno passe (e que passe depressa). E, para que isso aconteça, ele brinca. Oras de ser veludo, para tecer delicadeza; oras de ser espinho e sangrar a canção com os gritos de dor dos amores mal fadados.

Seu nome ganhou projeção nacional em 2011, como o compositor do hit “Oração“, na interpretação conjunta com “A Banda Mais Bonita da Cidade“. O videoclipe de “Oração” foi gravado em plano-sequência e foi lançado no YouTube em 13 de maio de 2011 e hoje possui mais de 30 milhões de exibições.

Mallu Magalhães

Surpreso onde essa garota chegou com sua vontade, hoje uma excelente compositora nada no rio do samba, sua principal vertente, boas letras em volta de possíveis relacionamentos, além de compor músicas para artistas renomados.

Vanessa da Mata

Nasceu no dia 10 de fevereiro de 1976, em Alto GarçasMato Grosso, uma cidade pequena a 378 quilômetros de Cuiabá, cercada por rios. Possui ascendência, através da avó materna, de índios Xavantes. Ouviu de tudo na infância. De Luiz Gonzaga a Tom Jobim, de Milton Nascimento a Orlando Silva. Ouviu também ritmos regionais, como o carimbó, dos discos trazidos das viagens de um tio à Amazônia. Ouviu sambamúsica caipira e até música brega italiana, sons que chegavam pelas ondas da rádio AM.

Silva

Lançou em 2012 o primeiro EP, 2012 com seis canções. Ainda no mesmo ano, lança seu primeiro álbum, Claridão, pela gravadora SLAP, selo da Som Livre. Em 2014, lançou seu segundo álbum de estúdio, intitulado Vista pro Mar, que teve como convidada a cantora Fernanda Takai na faixa “Okinawa”. Vista pro Mar foi eleito o oitavo melhor disco nacional daquele ano pela Rolling Stone Brasil. Inquestionável a sua influência da música baiana, uma voz calma que acalenta.

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora